CHANEL NEWS

Jeanne Moreau © Keystone France <BR />Romy Schneider © Courtesy of Paul Ronald, Archivio Storico del Cinema, AFE <BR />Delphine Seyrig © Keystone France <BR />Anouk Aimée and Federico Fellini © Photo D.R
00/4
the-actresses-dressed-by-gabrielle-chanel

Jeanne Moreau © Keystone France
Romy Schneider © Courtesy of Paul Ronald, Archivio Storico del Cinema, AFE
Delphine Seyrig © Keystone France
Anouk Aimée and Federico Fellini © Photo D.R

AS ATRIZES VESTIDAS
POR GABRIELLE CHANEL

Gabrielle Chanel estava sempre perto de atrizes. Isso porque ela dominava o design de figurinos, ou porque ela mesma tinha tido sonhos em sua juventude de uma carreira nos palcos? Uma das primeiras atrizes a modelar os chapéus da Chanel em público foi Gabrielle Dorziat.

Vinte anos depois, Gabrielle era famosa nos Estados Unidos e também por seus figurinos de filmes. Em 1931, a estrela do cinema mudo, Gloria Swanson, apareceu em "Tonight or Never" usando um vestido longo Chanel. Em 1955, Marilyn Monroe fascinou o mundo quando confessou usar apenas Chanel Nº5 para dormir.

"O mundo inteiro de cinema quer vestir Chanel," disse a revista "Elle" em novembro de 1958. Na verdade, muitas clientes da Chanel eram atrizes. Cineastas, incluindo os diretores New Wave pediram a Chanel para vestir suas atrizes principais, entre elas as "femmes fatales" interpretadas por Jeanne Moreau em "The Lovers" de Louis Malle em 1958 e por Delphine Seyrig em "Last Year at Marienbad" em 1961.

Gabrielle Chanel também desenhou roupas usadas na tela e na vida real por Annie Girardot e Brigitte Bardot. Ela era amiga de Anouk Aimée, conversou sobre literatura com Jeanne Moreau, tornou-se mentora e admirada de Romy Schneider, induziu a arte do charme em alguns, ensinou a arte de se vestir para outros.

Estúdios Cinecittà - Roma

ENTREVISTA COM KARL LAGERFELD

Por Rebecca Lowthorpe

© Benoit Peverelli
00/14
backstage-of-the-show

© Benoit Peverelli

BACKSTAGE DO DESFILE

Coleção Paris in Rome 2015/16 Métiers d'Art

credits
credits

© Courtesy of Paul Ronald, Archivio Storico del Cinema, AFE

visconti-and-chanel

© Courtesy of Paul Ronald, Archivio Storico del Cinema, AFE

CHANEL & OS ARTISTAS
VISCONTI

Em 1936, com 30 anos, Luchino Visconti chegou a Paris, um centro artístico, intelectual e político durante o período pré-guerra. Quando ele conheceu Gabrielle Chanel, ele ficou espantado por sua mistura de "beleza feminina, inteligência masculina e energia excepcional." Ele a convidou para ir à Itália e a apresentou a sua família. Gabrielle Chanel foi fundamental em conseguir deixá-lo assistir a uma filmagem de Jean Renoir. O diretor fez melhor do que isso: contratou Luchino como assistente que o ajudou a escolher os vestuários para dois de seus grandes filmes, "The Lower Depths" e "A Day in the Country", para os quais Chanel também contribuiu. Esta experiência causou uma profunda impressão em Luchino, fazendo-o seguir carreira no cinema.

Depois de produzir obras-primas como "La Terra Trema", "Senso", e "Rocco and His Brothers", Luchino encontrou novamente Gabrielle Chanel em 1962. Ele pediu a ela para desenhar os trajes para "Boccaccio'70", e ensinar sua elegância a atriz principal, Romy Schneider.
A câmera segue Romy quando ela aparece vestida sucessivamente em uma brocade, um robe de chambre (roupão feminino,traje despretensioso), e um terno creme. Ela se move graciosamente, com uma gravata como um cinto em seu vestido. Na frente do espelho, ela ajusta o colar de pérolas e seu cabelo. A transformação aconteceu. Romy se transformou em uma "femme fatale", uma mistura de charme e elegância.

Chanel e Visconti permaneceram amigos ao longo da vida.

Compartilhar

O link foi copiado