Alta Joalharia COLEÇÃO EXCLUSIVA

Alta Joalharia COLEÇÃO EXCLUSIVA 1932

Estávamos no ano de 1932 e a Europa encontrava-se em plena Grande Depressão. Gabrielle Chanel, que tinha ficado famosa nos anos 20 pelos seus designs inovadores, foi abordada pela União de Comerciantes de Diamantes para publicitar as joias deles durante esta recessão económica. Com estes diamantes emprestados, Coco Chanel criou a sua primeira e única coleção de alta joalharia — Bijoux de Diamants.

illustration

Inspirado nas franjas popularizadas nos Loucos Anos 20 e personificando um dos códigos originais da Alta Joalharia de Gabrielle Chanel, este colar cintila com a luz de mais de 35 diamantes de lapidação em baguete e 535 diamantes de lapidação brilhante, enquanto a sua estrutura flexível e as múltiplas camadas criam um efeito profundamente moderno.

Os designs radicais que Gabrielle Chanel optou por expor na sua residência particular no número 29 da Rue du Faubourg Saint-Honoré, estavam compreendidos entre cinco temas intemporais, escolhidos para representar o número da sorte de Coco Chanel: as franjas, a fita, as penas, o sol e as estrelas — uma misteriosa constelação que espelha os mosaicos do piso do orfanato em Aubazine, onde Gabrielle Chanel passou a sua juventude.

illustration

Esta pulseira é composta por diamantes e ouro branco, prestando tributo ao cometa da coleção de 1932. Envolvendo o pulso com uma reviravolta e espelhando o design original de Gabrielle Chanel, uma estrela celestial serve de base a um diamante de 3,07 quilates de lapidação redonda, rodeado de um cosmos cintilante de cerca de 900 diamantes de lapidação brilhante, que somam mais de 26 quilates.

As joias foram expostas em figuras de cera estranhamente realistas, uma ideia certamente inspirada nos amigos surrealistas de Mademoiselle, com deslumbrantes diamantes refletidos sobre um fundo de espelhos. Respeitando a natureza criativa de Gabrielle Chanel, as peças mais elaboradas eram transformáveis — joias de uma mulher emancipada, cuja liberdade não é limitada por nada.

illustration

Um colar longo, gráfico e flexível, que parece ter sido inspirado numa fita, um dos códigos originais da coleção de 1932 de Gabrielle Chanel. Trabalhada à mão em ouro branco, a fita irregular é composta por diamantes geométricos de lapidação em baguete justapostos a diamantes redondos muito próximos, enquanto um perfeito diamante de lapidação em pera completa o laço moderno.

A exposição foi um sucesso monumental, enraivecendo naturalmente os joalheiros da Place Vendôme, que consideravam Gabrielle Chanel uma mera costureira. Embora a coleção tenha sido desmontada e os diamantes devolvidos às pressas, os designs revolucionaram as joias da época e cimentaram códigos para a Maison CHANEL, que continuam sendo uma inspiração até hoje.

OUSADIA, FEMINILIDADE, LIBERDADE – NATURALMENTE, EM DIAMANTES, TÃO INDESTRUTÍVEIS COMO O ESPÍRITO DE GABRIELLE CHANEL.
illustration

Como uma pena colhida noutra época, este broche é uma fiel réplica da joia criada por Gabrielle Chanel para a exposição de 1932, Bijoux de Diamants, a primeira e única coleção de Alta Joalharia de Coco Chanel. Com uma estrutura flexível, este broche em ouro branco e diamantes pode ser usado de forma clássica ou caprichosamente dobrado sobre o ombro.

“SE ESCOLHI OS DIAMANTES, FOI PORQUE ELES REPRESENTAM O MAIOR VALOR NO MENOR VOLUME.”

— Gabrielle Chanel

illustration

“Acredito nas estrelas”, afirmou Gabrielle Chanel. Este anel, em ouro branco luminoso e diamantes, foi inspirado nos códigos da coleção de 1932 de Alta Joalharia. Usá-lo é como ter uma estrela mágica do universo de Coco Chanel, perfeitamente preservada, sobre a sua mão.

illustration

O convite original de 1932 para a exposição Bijoux de Diamants.

illustration

Uma fotografia do Colar Comète, uma das cinco imagens incluídas no dossier de imprensa original de 1932.

O vídeo promocional de 1932, destacando não só a coleção de joalharia, como também a forma radical como as joias foram exibidas.