Capítulo 1

BIJOUX DE DIAMANTS

Role para baixo para explorar

Há 90 anos, Gabrielle Chanel criou a primeira coleção de Alta Joalheria do mundo, Bijoux de Diamants. Ela aplicou seu princípio fundamental de design às peças: libertar os corpos das mulheres ao mesmo tempo que os adorna.

Capítulo 1 MESMO QUE O MUNDO PARE, NADA IMPEDE O CÉU DE SE MOVIMENTAR

ACREDITANDO EM SINAIS

“Nada melhor para esquecer a crise do que deliciar os olhos com coisas novas e bonitas, que a habilidade de nossos artesãos nunca deixa de desvendar.”

1932. Três anos desde que a vida parou na terça-feira negra, o dia em que o mundo mergulhou na escuridão da Grande Depressão e os anos alegres da década de 1920 se transformaram em tristeza. Em meio à melancolia da inflação, à queda do consumo e ao desemprego vertiginoso, os tempos eram sombrios. E é exatamente por isso que 1932 foi o momento perfeito para esperança e renovação. Porque não há sombra sem luz, uma série de eventos espetaculares ocorreu no início de 1932, como feitiços lançados sobre a crise. Elwyn Dirats e Jacques Auxenfants abriram o Hot Club de France e os sons suingados do jazz podiam ser ouvidos em todos os lugares. A magnífica Opéra Garnier estreou Un Jardin sur l'Oronte sob a direção de Philippe Gaubert. Cerca de 200 mil pessoas compareceram ao tão esperado lançamento do transatlântico SS Normandie. E, em novembro, a Diamond Corporation Limited de Londres teve uma ideia brilhante para restaurar seu lugar no mercado de diamantes...

A Diamond Corporation Limited de Londres convocou os talentos de uma mulher visionária. Ela não apenas trouxe modernismo para as roupas, mas também era uma talentosa designer de acessórios que fazia bijuterias ainda mais bonitas do que as verdadeiras joias. Uma mulher poderosa que dirigia seu próprio império, que se expandia ainda mais a cada dia. Amiga das artes e dos artistas, coração pulsante de seu tempo, ela se rebelou contra as expectativas colocadas sobre as mulheres, seus corpos e suas morais dos dois lados do Atlântico. Gabrielle Chanel foi escolhida para reavivar o interesse mundial pelos diamantes.

Contrariando a escuridão do ambiente, ela inspirou sonhos e iluminou a beleza. Mademoiselle criou BIJOUX DE DIAMANTS, a primeira coleção de Alta Joalheria do mundo. Apenas dois dias após o lançamento da coleção, as ações da Diamond Corporation Limited aumentaram de valor, transformando toda a indústria e revitalizando a era.

CHANEL E OS CORPOS CELESTIAIS

“Minhas estrelas! Como alguém poderia encontrar algo mais adequado e eternamente moderno?”

Acredita-se que Gabrielle Chanel cultivou sua obstinação por rigor e pureza durante sua infância na Abadia de Aubazine. No que diz respeito à inspiração, a Abadia Cisterciense, banhada pela luz do céu da Corrèze, era uma fonte de energia sempre renovável. Por exemplo, este mapa do céu, um brasão imerso na pedra deste chão tantas vezes pisado, onde a Lua, as estrelas e o Sol se abraçam... Manter os pés no chão — é a melhor maneira de alcançar as estrelas? Embora Mademoiselle sempre tenha confiado no poder aparentemente mágico dos símbolos, foi só quando conheceu Boy Capel — um homem que encontrou alegria em transformar a vida em uma experiência sublime — que ela aprendeu a acreditar em sinais.

Uma noite de verão em Paris. O tempo está quente e o céu estaria escuro se não estivesse raiado de estrelas, uma tela negra iluminada pelo halo de uma Lua crescente. Essas estrelas, brilhando como leves diamantes, inspirariam a base de toda Alta Joalheria CHANEL. Foi enquanto as observava brilhar contra a imensidão do céu noturno que Mademoiselle decidiu adornar a pele e os cabelos das mulheres com uma chuva de meteoritos, para fazer brilhar as luas crescentes e permitir que todo o brilho do Sol resplandecesse. Criar BIJOUX DE DIAMANTS foi o epítome de seu gosto pelo brilho irresistível da beleza e da vida.

BIJOUX DE DIAMANTS, A PRIMEIRA COLEÇÃO DE ALTA JOALHERIA DO MUNDO

“Escolhi o diamante porque sua densidade representa o maior valor para o menor tamanho.”

A criação da BIJOUX DE DIAMANTS seguiu uma sintaxe muito pessoal, uma forma de ter novas ideias e aplicar os princípios da alta-costura à Alta Joalheria. Em 1932, Mademoiselle desenhou a primeira coleção de Alta Joalheria da história, baseada em um único tema e apresentada integralmente no mesmo lugar. Era exatamente o oposto da maneira como os joalheiros da época trabalhavam.

Sua abordagem ao desenho de joias não era diferente de sua abordagem ao desenho de roupas. A linha define, então apenas o allure importa. A perfeição de um diamante é realçada pela maior simplicidade. Nu, sem engaste visível, lapidado em estilo clássico, o diamante, com seu tamanho equilibrado, exibia uma extrema pureza de valor inalterável, inabalável com o passar do tempo ou, pior, das tendências.

“Procuro os motifs que melhor mostram o brilho dos diamantes – a estrela, a cruz, a cascata de pedras graduadas e grandes cabochões reluzentes.”

Muito mais do que o nome sugere, BIJOUX DE DIAMANTS foi uma coleção extraordinariamente marcante. Gabrielle Chanel criou cerca de 50 peças com diamantes brancos e amarelos cravejados em platina e ouro amarelo, para serem usados dia e noite, como incríveis concentrações de luz. Entre as peças identificadas, 22 expressavam o mapa de um céu repleto de estrelas, cometas, luas e sóis. Mademoiselle também criou 17 ilusões de ótica, reproduzindo fitas flexíveis, franjas dançantes e plumas leves, além de oito peças explorando a pureza gráfica de espirais, círculos, quadrados e cruzes. Uma coleção prolífica que lentamente revelaria seus segredos ao longo dos séculos. Apesar de testemunhos que afirmam a existência de broches monumentais com a forma dos números 3, 5 e 7, nenhum vestígio deles foi encontrado até à data. 2012 viu a descoberta de um documentário, filmado por Pathé Gaumont e lançado na década de 1930 em todos os cinemas franceses durante os cinejornais, o precursor do Journal Télévisé, um programa de notícias francês. Este curta-metragem apresentou uma seleção significativa de joias filmadas no apartamento de Gabrielle Chanel na 29 Rue du Faubourg Saint-Honoré.

Um filme imperdível sobre uma mulher que nunca seguiu os padrões e sempre esteve um passo à frente de todos, concentra-se em duas peças em ouro e diamantes amarelos, muito antes das tendências da moda dos anos 60, e reflete o amor de Coco pela energia do Sol: uma espiral em ouro fino envolve o dedo, apresentando um diamante amarelo e ecoando o talismã — um pequeno anel com topázio amarelo — de uma Mademoiselle nascida sob o Sol escaldante de agosto, e um broche em formato de Sol cuja miríade de diamantes amarelos lhe confere um valor extraordinário.

“Quero que as joias sejam como uma fita nos dedos de uma mulher. Minhas fitas são flexíveis e removíveis.”

Solitário, em tríptico ou em direção ao infinito... Uma abundância de estrelas e sóis flamejantes enxameiam o corpo, em casacos e espartilhos ou circundando a cintura. Meteoros e cometas pontilham os lóbulos das orelhas ou se enrolam em pulsos e pescoços sem nunca envolvê-los. Aqui, uma simples respiração faz a Ursa Maior brilhar sobre o plexo solar. Uma profusão de pedras, laços, plumas e franjas traz maleabilidade a uma roupa, um penteado, ao colo ou as mãos.

Uma fita contrastante em preto e branco cravejada com diamantes circunda o pulso. Entre as criações identificadas estão 17 broches, nove joias em formato de cabeça de leão, oito colares, quatro anéis, três pulseiras, dois pares de brincos, dois relógios e dois acessórios — incluindo uma cigarreira cravejada com diamantes na parte externa e interna — todos com a intenção de tornar as mulheres excepcionalmente brilhantes.

JOALHERIA EXTRAORDINÁRIA, LOOKS REVOLUCIONÁRIOS

“Minhas joias nunca se afastam da noção da mulher e seu vestido. Minhas joias podem ser transformadas porque meus vestidos mudam.”

Mademoiselle aplicou em suas joias os mesmos princípios modernistas que aplicava em suas roupas. Ela imaginou a joalheria como uma nova ideia, uma forma de estabelecer uma relação única com o corpo. Embora BIJOUX DE DIAMANTS tenha sido a primeira coleção de Alta Joalheria da história, foi sobretudo uma coleção desenhada para mulheres. Mulheres fundamentadas no mundo e na vida, com a feminilidade em movimento perpétuo, para quem Mademoiselle criou peças livres de fechos que permitiam que o corpo se movesse com facilidade.

“Eu desprezo fechos! Eu não os uso mais! Mas minhas joias ainda podem ser transformadas.”

Quando criou BIJOUX DE DIAMANTS, Mademoiselle escolheu a liberdade. A liberdade das mulheres escolherem viver como quiserem. Para mover-se livremente. Usar peças que realçassem o fogo de sua individualidade, em vez de deixar que os diamantes sublimes, mas sem vida, as usassem. As mulheres podiam combinar uma pluma com uma Lua crescente, colocar franjas ou um laço no vestido ou no cabelo, unir a noite e o dia usando estrelas, a Lua e o Sol juntos, transformar um colar em três pulseiras ou até mesmo broches. A coleção oferecia um campo de infinitas possibilidades nunca antes visto em nenhum lugar do mundo, uma inventividade que foi elogiada pela imprensa. Por serem transformadas e usadas livremente no corpo para definir um estilo, as peças BIJOUX DE DIAMANTS nunca sairiam de moda. Elas se tornariam atemporais.

BIJOUX DE DIAMANTS, OBJETOS DE SONHOS

Conheça

8 bilhões de brilhos, 93 milhões de pedras... Porque algo novo, algo real, muitas vezes é o melhor catalisador de rumores, a imprensa alimentava seus leitores com números gigantes, uma extravagância que só aumentaria o mistério em torno da coleção a cada dia. E também alimentaria a indignação. O que poderia ser mais ofensivo do que chamar uma designer de roupas em vez de um joalheiro? Uma costureira! A escolha de anúncio da Diamond Corporation Limited imediatamente colocou a Place Vendôme inquieta, e BIJOUX DE DIAMANTS se tornou o “Caso Chanel.” Toda a indústria uniu forças para impedir Gabrielle Chanel de fazer joias.

Toda uma indústria exigiu, com sucesso, que suas criações fossem desmontadas e as pedras preciosas devolvidas. Mas como algumas peças foram vendidas no primeiro dia, ainda existem alguns testemunhos comoventes. Uma delas é uma caixa em veludo azul meia-noite contendo um fragmento de uma noite estrelada: um broche em formato de cometa em platina e diamante de 7,8 quilates. Ou esta pluma longa e incrivelmente flexível, pluma que poderia ter sido usada como corpete, para prender um casaco como um cinto, adornar a testa com luz ou abraçar as curvas do ombro graças à sua extraordinária malha.

Esses fragmentos da história inspiraram a CHANEL a reeditar oito peças para o lançamento da JOALHERIA CHANEL em julho de 1993. Dando duas voltas no pescoço e adornado com estrelas intercambiáveis, o colar COMÈTE foi apresentado na exposição “Rêves de Diamants” em 2002. O broche PLUME também foi relançado em setembro de 2010, seguido de uma seleção de 100 peças inspiradas em BIJOUX DE DIAMANTS em 2012.

Capítulo 2

Capítulo 2 NO CORAÇÃO DE BIJOUX DE DIAMANTS: A OUSADIA OU A ARTE DE SER UMA MULHER QUE BRILHA COM O SUCESSO

OUSANDO BRILHAR NA SOCIEDADE

Agradecimentos ao Comitê Jean Cocteau

Comitê Jean Cocteau