Loading...
  • PÉROLA DE CULTURA DOS MARES MERIDIONAIS

    Entre a costa nórdica da Austrália e a costa meridional da China são cultivadas as pérolas mais belas e maiores do mundo.

    As pérolas dos mares meridionais se caracterizam por possuírem um nácar excepcionalmente espesso, bem como um lustro acetinado único, procedente do ambiente favorável em que são cultivadas.

    Os tons brancos, prateados e dourados que elas ostentam são sutis, raros e característicos de sua origem prestigiosa.

  • PÉROLA DE CULTURA DO JAPÃO (AKOYA)

    Nascidas no Japão, as pérolas Akoya são cultivadas nesse país de maneira tradicional desde há quase um século.

    Proveniente das ostras perlíferas, as menores do mundo, as pérolas Akoya tem um diâmetro inferior ao das Pérolas dos mares meridionais. As suas formas, perfeitamente esféricas, bem como o lustro luminoso, valorizam a doçura de suas cores.

    Brancas ou creme, as pérolas Akoya se singularizam pelos reflexos amarelo, rosa ou verde que produzem.

  • PÉROLA DE CULTURA DE ÁGUA DOCE

    Proveniente do mexilhão-perlífero-do-rio, cultivados nos rios e ribeirões da China, as pérolas de água doce apresentam uma infinita variedade de formas, de tamanhos e de aspectos.

    Uma vasta paleta de cores, do branco ao rosa, do creme ao laranja, bem como suas formas imprevisíveis distinguem-nas das pérolas Akoya.

    Integralmente constituídas de nácar, as pérolas de água doce possuem uma textura quente e suave.

  • PÉROLA DE CULTURA DO TAITI

    Conhecidas sob o nome lendário de “pérolas negras”, as pérolas de Taiti nascem nas ilhas dos mares meridionais, em particular nas lagoas da Polinésia francesa.

    São formadas por camadas perlíferas espessas, cercando o cerne e se caracterizam por sua variedade de formas, de diâmetros, de qualidades e de nuances naturais. A espessura dessa capa permite conservar a cor, o lustro e exotismo.

    A paleta infinita de cores das pérolas de Taiti estende-se do cinza antracito avizinhando o negro profundo, ao cor de prata, ao carvão de madeira, a que se acrescentam uma grande variação de nuances de verde: pena de pavão, verde bronze e verde anis, verde esmeralda, verde floresta…